sexta-feira, 19 de julho de 2013

Uma festa perto do céu


Pintura de Sérgio Pompeo retrata com perfeição a festa


“De um grupo de pirenopolinos, chefiado por Cristóvão José de Oliveira e sob as bênçãos do inesquecível padre vigário Santiago Uchôa, partiu a iniciativa da construção de um santuário no pico mais elevado dos Pireneus.

Primeira missa no Morro dos Pireneus - 1927

"No dia 19 de julho de 1927, com a assistência de trinta e cinco pessoas, foi rezada, por aquele saudoso padre vigário, a primeira missa naquelas alturas.


Segunda Missa no Morro dos Pireneus - 1928

"No primeiro altar temporário, via-se a seguinte expressão: Christus heri, hodie et in secula. O atual está colocado sobre um maciço de pedra e cimento.

Procissão da Santíssima Trindade aos Pireneus - julho 2008

"Na ocasião da primeira missa, por sugestão de Cristóvão José de Oliveira, aceita por todos, inclusive pelo padre vigário, ficou resolvido que a festa em homenagem à SS. Trindade se realizasse no plenilúnio de julho.

Primeira Capela construída nos Pireneus
Década de 1930

"A segunda missa (que já teve caráter de romaria e com aprovação da autoridade eclesiástica) foi rezada ao pé do cruzeiro, no dia 5 de julho de 1928 (plenilúnio).

Paisagem avsitada do alto dos Pireneus - junho 2004

"No dia 6 de abril de 1929, erigiu-se, no pico do meio, o cruzeiro que lá se encontra e, no dia seguinte, levantou-se outra cruz, já agora no pico mais baixo, em homenagem às três pessoas da SS. Trindade.” (Jarbas, Esboço.. pp. 547/9).


Fotografia da Comissão Cruls

Com essas palavras de Jarbas Jayme, nosso brilhante historiador, inicia-se este artigo, que pretende contar um pouco da Festa do Morro, que já completa 86 anos de tradição. E por ser realizada em altitudes tão elevadas, tal festa sempre me pareceu muito perto do céu.

Largo do Bonfim - reunião para procissão
 até o Morro dos Pireneus julho 2008

Localizado a 20 KM de Pirenópolis, o Pico dos Pireneus tem 1.385 metros de altitude e é o ponto mais alto da região, que é divisora das águas de duas importantes bacias hidrográficas da América do Sul: a Platina e a Tocantinense. Berçário de espécimes raros, o local tornou-se Parque Estadual em 1987, com área de 2,833,26 há. Mas bem antes disso, em 1892, por lá passou a Comissão Cruls para demarcar o quadrilátero do Distrito Federal.

Meio de transporte usado
para se chegar à Festa na década de 1950

A Festa do Morro esteve muito ligada à história da minha família. Meus pais acampavam lá quando eu era criança. Tudo era improvisado, do banho à comida. Minha mãe mandava uma costureira fazer pijamas de flanela grossa, com direito a gorro e pompom na ponta, mas de tamanho exagerado para minha altura, que era para não perder: “Criança cresce rápido” – justificava. Eu ficava com vergonha daquele pijama imenso, mas de madrugada, quando a temperatura caía, agradecia o cuidado de minha mãe.

Imagem da Santíssima Trindade
a ser transportada em procissão até os Pireneus
Julho 2008.

Depois eu cresci e passei a acampar ali com os amigos. Tinha noitadas de violão ao redor duma fogueira, causos de assombração, pegadinhas. No dia seguinte, ainda cedo, alguém propunha subir nos picos mais baixos e a gente sempre se arrependia porque o caminho é difícil.

Cristóvão de Oliveira no acampamento
da Festa do Morro - década de 1960

Teve um ano que o saudoso Maurício Lopes (Maurício da Babilônia) foi festeiro e fez uma festa parecida com a do Divino. Teve foguetório, banda, catira. Ele mandou matar um boi e serviu carne assada e cerveja a noite toda para o povo. Nunca mais houve uma festa assim.

Festa do Morro - década de 1970

Não gosto de subir no pico da capelinha, tenho receio de alturas. Um ano vi um moço, acho que era o Luiz de Maura de Dona Sinhazinha, escalar aquela antena que há lá em cima e sentar-se no seu topo. A estrutura de metal balançava para lá e para cá e eu pensava: “Meu Deus, ele é louco”.

Início da procissão em direção aos Pireneus - julho 2008

 Quando anoitece, dá para ver as luzinhas de muitas cidades, inclusive Brasília. E logo vem a majestosa lua cheia impor sua soberania sobre a noite. Nesse momento, o vento geladíssimo nos confidencia que devemos descer, e então notamos que já está escuro e que as pedras traiçoeiras nos convidam ao abismo! Sinistro, mas é assim que eu sempre me senti.

Estrada percorrida para se chegar à Festa
Década de 1930

Este ano a Festa do Morro ocorrerá entre os dias 22 (lua cheia) a 26 de julho. A fiscalização no local é rigorosa, principalmente depois de um incêndio que começou num acampamento há pouco tempo e destruiu grande área do parque. Haverá proibição de fogos de artifício e som automotivo. Quem desejar acender fogueira terá que seguir regras de segurança.

Adriano César Curado

Última participação de Christóvam na
Festa do Morro - final da década de 1960

Fonte:

CURADO, Glória Grace. Pirenópolis; Uma Cidade para o Turismo. Goiânia: Oriente, 1980
JAYME, Jarbas. Esboço histórico de Pirenópolis. 2 v. Goiânia: Imprensa da UFG, 1971.
JAYME, José Sisenando. Goiás Humorismo e Folclore. Edição do autor: 1990.

A Festa do Morro – Pirenópolis/GO. Artigo de Tereza Caroline Lôbo e João Guilherme Curado, publicado em http://festaspopulares.iesa.ufg.br/pages/3741, acessado em 18.07.2013.
Minhas próprias recordações.

Fotos: sobre as imagens aqui publicadas, as antigas pertencem à família de Cristóvão José de Oliveira. As da procissão são de autoria de João Guilherme Curado.

Festa do Morro - década de 1960


Bispo Dom Emanuel Gomes de Oliveira e
frei Tobe no alto de um dos três picos dos Pireneus
Década de 1930

O bispo Dom Emanuel Gomes de Oliviera,
Pedro Ludovico Teixeira presentes na
Festa do Morro na década de 1940

Procissão da Santíssima Trindade aos Pireneus - julho 2008

Capela nos Pireneus - década de 1930

* * *

3 comentários:

  1. De tudo que você já escreveu até hoje, este foi seu melhor texto. Uma grande composição poética, uma prosa-história maravilhosa. Meus parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Eu já acampei nos Pireneus mas não foi bom. Muita bagunça, som automotivo, excessos. Fico contente de saber que este ano será diferenciado.

    Lindo seu texto, Adriano, meus parabéns.

    Você é um historiador-poeta!

    ResponderExcluir
  3. Ulysses Jayme (via Facebook)22 de julho de 2013 12:43

    Pra quem nao sabe da história o Morro dos Pireneus fica em Pirenopolis e ha muitos anos atras essas terras eram do meu Bisavo, e religioso como ele era, decidiu construir uma Igrejinha no Pico do Morro, em mencao ao Divino Espirito Santo. Dai, quando pronta, reuniu a Familia e amigos para uma Missa de inauguracao. So que naquela epoca, sem carro e sem energia faziam a Romaria na Noite de lua Cheia. De la pra ca, virou uma tradicao e boa parte da cidade vai pra la e acampa ate a Lua cheia, quando tem a missa. É claro que é uma grande festa com muita comida, muita musica e Escaladas nos picos. Lembrando todo mundo fica acampado, em barracas, mas muito divertido. Ate hoje a minha Familia vai quase toda, irmaos, tios, primos, desde os octagenarios ate os bebes. E la esta o Igor, sozinho, por vontade própria. Muito bom!

    ResponderExcluir

Minhas leitoras e meus leitores, ao comentarem as postagens, por favor assinem. Isso é importante para mim. Se não tiver conta no Google, selecione Nome/URL (que está acima de Anônimo), escreva seu nome e clique em "continuar".

Todas as postagens passarão por minha avaliação, antes de serem publicadas.

Obrigado pela visita a este blog e volte sempre.

Adriano Curado