segunda-feira, 24 de abril de 2017

Festa em família


O tio Bené (o mais velho entre os três caçulas) à esquerda, tia Beti à direita - e tome cantoria "das boas"!

Festa em família

Feriado em cidade turística é inverso ao trivial nos centros maiores. Falo de Caldas Novas, onde os dias de folga atraem visitantes e a população flutuante se torna muito superior à massa residente. Com isso, há intensa atividade comercial e dos serviços públicos – em especial pelos que cuidam da segurança e da emergência.

Era manhã, nesta sexta 21 de abril, quando tomei a BR-153 para, logo, acessar a rodovia estadual que demanda a Caldas Novas (aqui em Goiás, a imprensa tem o péssimo hábito de dizer “gê-ó-duzentos-e-trinta e seis” sem dizer a tradução desse código, como se cada leitor, ouvinte ou telespectador soubesse de cor essas cifras dos órgãos de construção e gestão das estradas). Pouco depois de deixar Piracanjuba, peguei trânsito intenso e lento, algo no ritmo dos 60 km/h – ou menos – e somente após uns 40 minutos apareceu a causa – uma batida de quatro veículos, que ficaram sem condições de trafegar.

Cheguei à terrinha natal pouco antes do meio-dia – chovia um chuvisco constante, que exigia ligar e desligar o limpador do para-brisa. E cheguei para surpresa do meu irmão Edmar, aniversariante de 70 anos neste domingo, 23 de abril. Disse-lhe “não poderei vir para o seu aniversário, então vim lhe dar meu abraço”, ao que ele emendou “Ah! então fique até domingo”. A surpresa deu certo – ele só percebeu que festejávamos com antecedência quando outros começaram a chegar.
A ideia da antecipação foi da Leda, filha mais velha do Edmar e da Irani. E logo chegaram nosso irmão mais novo, o Ângelo, apelidado de Xiu (não me perguntem), e a outra filha, Regina. E os netos, um bando de sobrinhos e primos, e ainda nossos tios Geruza e Benedito (irmãos de nosso pai). Tia Geruza não conseguiu, em momento algum, atender aos nossos pedidos para que cantasse: ao violão, o tio Bené, lembrava meu avô (que se foi sem pedi licença, aos 78 anos) e de meu pai. E cantamos, todos juntos, canções compostas por eles. Era a alegria pelo encontro, mas com a tristeza da saudade sem solução – e reafirmo que somos todos masoquistas.

Tia Geruza: a emoção trava a garganta... 

Faltaram nossas irmãs – Eliane ficou em Goiânia e Auxiliadora em Uberlândia, cada qual envolvida com suas coisas de vida. Bené, o primeiro dos meus tios caçulas (são três os meus tios mais novos que eu), disse-me que todos os dias, ao se levantar, “conversa” com seu irmão mais velho (meu pai, falecido em 2011), pedindo-lhe: “Israel, ajude-me a tocar tão bem quanto você”. A tia Beti, viúva do Rui, dá-se ao luxo e nos dá a alegria de sua voz bonita, afinadíssima e imutável! E ali estava ela com quatro gerações – filha, netos e bisnetos!


O selo Boteco Aquino é para que nenhum
vereador, em qualquer lugar do Brasil, me
encha paciência. Somos, sim, de boteco.

Edmar, meu irmão mais velho (entendam: eu sou o primogênito, ele veio logo em seguida, ou seja, ele é o mais velho dentre os meus irmãos) marca, pois, 70 anos! E o tio Bené já anuncia, para 2018: “Quero comemorar o meu Ano 70 lá em Pirenópolis”.


Olhei meu irmão, sem comentar nada. Seus cabelos, mais brancos que os meus, eram claros como os de espiga de milho, loiros na infância, castanhos na juventude e precocemente grisalhos e, enfim, brancos, bem antes que minha cabeça se tingisse de cinzas. Recordei nossas brigas de infância, nosso exílio de adolescência no Rio de Janeiro, com nossa avó, tios e tias da banda materna. Nosso retorno a Goiás – eu fiquei em Goiânia, ele escolheu Caldas Novas; revi os nascimentos de nossos filhos – enfim, este nosso envelhecer em torno da casa da família maior, sempre agregando nossas próprias proles e companheiras...

Um beijo, meu irmão! Sabemos, agora, que o tempo é curto. Aproveitemo-nos mais vezes!

Edmar é o da direita. Entre nós dois, o caçula dos homens - Ângelo (ou, simplesmente, Xiu).

Texto de Luiz de Aquino Alves Neto

sexta-feira, 21 de abril de 2017

História de tio Zico


João Gonçalves Lopes (1898 – 1978) era conhecido como Zico, filho de Absalão Gonçalves Lopes (Seu Biça) e de Maria Jayme Lopes (Sinhá), neto do padre Simeão. Era um homem muito rico e esbanjador. Lavava a mula com cerveja numa época em que essa bebida valia o que hoje vale uísque. Depois que enviuvou de Adelaide Borges de Carvalho e ficou pobre, foi morar de favor na casa da irmã, minha bisavó Inácia, casada com Luiz Abadia de Pina (Lulu). Depois disso, entrou para o folclore da família. Até hoje, quando alguém fala demais, dizemos: “Você está parecendo tio Zico”. Quando pegava um desavisado para contar um caso, eram horas de repetições e detalhes angustiantes, e ele mesmo ria das piadas e respondia aos próprios comentários. Ficava dia e noite de paletó preto e óculos escuros. Às quatro da tarde, pontualmente, tomava banho e já se preparava para dormir. Certa feita, tio Mauro o levou ao cinema e comprou para ele uma porção de pururuca. Filme de cenas silenciosas, os espectadores concentrados e tio Zico ali, na primeira fila, de óculos escuros e croc croc croc na pururuca. Para descansar minha bisa Inácia, às vezes tio Mauro o levava para o posto de gasolina que tinha. Numa dessas alguém perguntou ao tio Zico se ele era advogado do posto e foi o quanto bastou. Tio Mauro lhe deu uma pasta de executivo, espetou-lhe um broche da OAB no paletó (sempre o mesmo) e ele ficava lá sentado fazendo pose. Não caberia aqui as histórias do tio Zico, então foi finalizar com uma clássica. Almoço da família de domingo, todo mundo em volta da mesa, tio Zico falando e comendo, e tando fez que conseguiu pescar uma mandioca frita com a manga do ensebado paletó. Detalhe: não percebeu.

Adriano Curado

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Miss Goiás 2017 é de Pirenópolis


A estudante de direito Jeovanca Vasconcelos do Nascimento, de 26 anos, foi eleita, na terça-feira (18), a Miss Goiás 2017. Em um concurso que valorizou, além da beleza, a opinião e a postura das candidatas diante do empoderamento feminino, a Miss Pirenópolis se destacou, entre as 18 candidatas, com seu carisma e forte personalidade.

Para ela, um dos maiores símbolos da força feminina é não se calar diante de abusos. “O maior exemplo de empoderamento feminino nos dias de hoje são as mulheres que denunciam as agressões que sofrem no dia a dia, quando sofrem. É um exercício de cidadania na tentativa de tornar a sociedade mais justa”, afirma a campeã.

O concurso foi realizado na noite de terça-feira em um salão de eventos do Setor Bueno, na região sul de capital. A Miss Goiânia, a odontóloga Natállia Lima Figueira, de 25 anos, ficou em segundo lugar, e a estudante de direito Rayanne Coutinho da Silva, de 18, Miss Piracanjuba, em terceiro. A coroa à campeã foi entregue pela Miss Goiás 2016, Mônica França.

Foram finalistas as candidatas de Goianésia, Piracanjuba, Goiânia, Pirenópolis e Trindade. No quesito beleza, elas tiveram que desfilar com traje despojado informal, com traje de banho e roupa de gala.

Os sinos da Matriz


Que triste ver nossa Igreja Matriz sem seus sinos. Antes do incêndio de 2002, havia ali dois deles feitos de bronze e que duraram dois séculos sem precisar nem de afinação. Após o incidente fatídico, compraram outros que os substituíssem, mas como na atualidade tudo é descartável, os sinos já racharam e estão inutilizados. Terão de ser fundidos e reutilizados em outro objeto.

Enquanto isso a Matriz está silenciosa, pensativa, triste. Como se já não bastasse aquele relógio inútil na torre que não marca hora alguma.

No Domingo de Páscoa, início da contagem para a Festa do Divino, Herculano teve que improvisar dois sinos na carroceria de uma caminhonete, senão o repique festivo passaria em branco.

Até quando esse descaso com a cultura pirenopolina persistirá?

Adriano Curado

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Ainda o rei


Mais um ciclo que se fecha.A nossa cultura hoje chora a saída do Rei Mouro Antonio Machado o "Toninho". A você Toninho tiro meu chapéu. Lutou e continuará lutando por nossas tradições como membro da Comissão Pirenopolina de Folclore.Agradecemos pelo belo desempenho e liderança à frente das cavalhadas.Fez bonito com sua figura imponente de um verdadeiro Rei.

Séfora de Pina

A despedida do rei


O nosso Rei Mouro, das Cavalhadas de Pirenopolis, Toninho da Babilonia, através de uma carta escrita de próprio punho, endereçada ao Imperador da Festa do Divino Espirito Santo do ano 2017, Luis Carlos Cardoso, que foi lida ontem na hora da reunião dos Cavaleiros, e que, nela anunciou a sua retirada do Castelo Mouro, como Rei! Na carta, ele escreveu sobre a sua trajetória enquanto cavaleiro e sua contribuição ao nosso folclore e as tradições, mas que chegara a hora da sua saída! Foi um choque para todos nós, enquanto cavaleiros, enquanto Pirenopolis... nós gostaríamos que pudesse ter ficado mais... Quero Parabenizar a Pessoa do Sr. Antonio Machado, seu Toninho, pelo grande ator que foi durante tantos anos como cavaleiro das cavalhadas! Conviver com o nosso "Rei" durante os 11 dias, madrugas e noites, sempre foi um aprendizado e um prazer, não só pelo grande cavaleiro, mas também como amigo, companheiro e pai! Toninho, o nosso muito obrigado! Esse agradecimento é pela minha família, da família dos meus pais, pelo Desor. Joaquim Henrique de Sá, Dona Sone, enfim, de todos nós! Que o Divino Espirito Santo Abençoe você e a sua Familia!

Gleisson Humberto Araujo

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Falecimento

Faleceu hoje João Conceição de Pina, filho de Luiz Abadia de Pina e Inácia Lopes de Pina.

Pós-Semana Santa


Terminado o feriado da Semana Santa, notamos que os problemas pontuais aqui apontados em diversas oportunidades ainda persistem. 

O trânsito é o maior vilão. Entra ano sai ano e não se chega a uma solução definitiva para a cidade. Na procissão do Senhor Morto, a maior de nossa cidade, não se cuidou de tirar atempadamente os carros estacionados nas ruas e as filas de fieis tiveram que desviar deles. Já na Procissão da Aleluia, que é de menor importância, a Prefeitura fechou com cinco horas de antecedência as ruas, embora os carros ali estacionados permanecessem no local.

Mas também há a logística da coleta de lixo. No feriado não o recolheram, turistas e moradores tiveram que conviver com o mal cheiro das sacolas espalhadas pela cidade toda. Eu vi restos de alimentos de um restaurante na rua por conta da ação dos cães vadios que rasgaram os sacos. Isso precisa ser revisto.

Pelo que observo, a questão do turismo não está bem cuidada em Pirenópolis e ela tende a se transformar cada vez mais em problema. Falta ainda uma política pública definitiva e atualizada para enfrentá-lo.

Também em preciso pensar no bem-estar dos moradores.

Adriano Curado

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Via-sacra

Muito linda a encenação da via-sacra em Pirenópolis. Mas foi exaustiva. Achei sem noção sair da igreja Santa Bárbara e fazer um trajeto por horas até a Matriz. Sofrem os atores e o público. Por que não voltam a fazer o evento nas ruas Novas e Direita?

quarta-feira, 12 de abril de 2017

O luar


A lua branca derrama seu brilho singular pelo velho templo do Bonfim e ao mesmo tempo é emoldurado pelo abraço estreito das arbustos da pequena praça.

Heis a nostalgia meia-pontense.