sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Lambendo a lente

Foto Adriano Curado

Creio que não sobreviveria no velho oeste. Não sou muito rápido no gatilho. No milésimo de segundo após eu bater a foto ele lambeu a lente da máquina. Eu poderia ter usado o zoom mas resolvi me arriscar, viver perigosamente. Pronto! Acabou o safári de fotos. O modelo lambedor é um boi carreiro do Toninho da Babilônia.

Queimadas na serra

Foto Adriano Curado

Não vivemos tempos muito bons. Esta já seria época de chuvas, de rios enchendo as nascentes e encorpando, mas o que vemos são queimadas na serra. Hoje a fumaça densa desceu e cobriu a cidade toda. Um triste espetáculo para se presenciar. Padece o corpo com esse tempo estranho, os hospitais estão lotados. 

Será que um dia a natureza voltará ao que era antes?

N. S. Aparecida


Cavalgada em devoção a Nossa Senhora Aparecida

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

A angústia do casarão

Após dois séculos de existência, nosso casarão começou a sentir as marcas da modernidade. Sua estrutura é toda de aroeira, as paredes externas de adobe e as internas de pau a pique. No século XIX e boa parte do XX não havia vibração sonora excessiva e nem veículos pesados transitando pelas ruas. Por isso ele durou tanto tempo intacto. Agora não há uma parede sequer sem rachaduras, e em algumas cabem dois dedos dentro. Isso quer dizer que a casa vai ruir nas condições atuais. A estrutura antiga sofre todos os dias com o peso daquele caminhão que passa indiferente ou com o grave do som automotivo de um jovem de espinha na cara. E isso não acontece só conosco, a reclamação é geral. Veja o exemplo do prédio do teatro. Alguém chamou minha atenção num texto anterior, disse que eu reclamo demais. Estou errado? Devo me calar?

Foto Adriano Curado


Foto Adriano Curado

Foto Adriano Curado

Foto Adriano Curado

Foto Adriano Curado





quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Primeira chuva

Foto Nicolas Carreiro

E finalmente choveu em Pirenópolis, depois de tantos meses de seca. A garoa refresca e umidifica, dá de beber à terra ressequida e alimenta dos reservatórios naturais de água. Pena que é pontual, não irá durar o tempo que deveria. Mas se fosse em outras épocas, aí sim teríamos uma chuvarada de verdade, por semanas sem trégua.

Aproveitemos a chuva enquanto ela por aqui está.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Sarau da Aplam abre Flipiri


Sarau e lançamento da Antologia Poética "Um feixe de luz" , dia 22 de setembro, às 18:30, no Salão Paroquial, na Flipiri. 

Participação especial do duo Ziriguiduo. Realização APLAM - Academia Pirenopolina de Letras Artes e Música.

Participe! Prestigie! 

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Um jornal cultural


Este é o primeiro exemplar do Jornal Nova Era que circulou em Pirenópolis de outubro de 1989 a abril de 1998, quando encerrou suas atividades no número 35. Tinha uma proposta ousada: seu conteúdo era apenas cultural. Idealizado por Maria Eunice Pereira e Pina e pelo jornalista José Reis, por muitos anos manteve viva a chama do incentivo à nossa cultura. Valdolucio Cardoso era o responsável pela coluna social. Eu publiquei ali meu primeiro conto intitulado A Caçada. Também minha saudosa tia Vera Lopes Siqueira movimentava sua coluna com o pseudônimo de Condessa de Meia Ponte.

Adriano Curado

Madrugada do tempo


Há uma certa nostalgia nesse casario que de mãos dadas contempla o tempo passar, tendo ao fundo os morros arredondados do cerrado. Parece até que o relógio parou e agora quer nos prender em nossas próprias lembranças. Mas deixe-me ir, Meia Ponte, que o futuro já aponta nos primeiros raios da madrugada ali para as bandas da Rua Aurora.

Adriano Curado

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Gustavo Lima em Pirenópolis


E quem está em Pirenópolis para a gravação de seu novo clipe é o cantor sertanejo Gustavo Lima. As filmagens estão ocorrendo na Rua do Rosário (ou do Lazer), que se encontram temporariamente interditada. Na foto, o artista aparece abraçado com as pirenopolinas Rosane Ferreira (de saia branca) e Ariane Cerena Mesquita.

Quem participa do clipe é a atriz Cleo Pires. 


A luz na sequidão


Esta época me fascina pelo contraste de cores e sabores por este cerrado afora. Ainda que a seca se prolongue, a vida persiste com toques sutis que o Criador espalha nos oásis de luz.