terça-feira, 26 de março de 2013

Um muro de pedras sobre a serra




     Faz tempo que ouço falar de um muro antigo sobre a serra do Funil, que fica próximo ao morro do Frota. A região é muito preservada, tem cerrado ainda intacto e fauna bem variada. Eu mesmo já vi ali o lobo-guará, cachorros-do-mato e raposas, para ficar só nos de maior porte. Mas na região há registro recente de onças, antas, harpia etc.

Casarão Serra do Ouro, ponto de partida

     Eu, José e Rodrigo resolvemos partir num dia de céu claro, bem cedinho, antes que o sol esquentasse para valer. Saímos do casarão Serra do Ouro, onde nos hospedamos no final de semana. Nesse início de ano é época propícia para subir morros, pois ainda não há carrapatos para infernizar a vida da gente.

Vista da região

     A escalada na serra do Funil não é fácil. O caminho chega a ficar bem inclinado e às vezes subimos de gatão para não cair. Eu caí. Já quase chegávamos de retorno quando escorreguei numa laje coberta de cascalho e machuquei a mão. Depois cheguei até a perder a unha.

O primeiro contato com o muro

     Mas todo esse sacrifício vale a pena. Primeiro porque a região por si só é linda e a vista lá de cima é um regalo para os olhos. Depois porque o tal muro de pedras é muito interessante. Mais tarde, em conversa com moradores velhos da região, descobri que não há registro oral de sua construção. Isso deixa claro que é uma obra bem antiga, certamente que da época da escravatura.

O encaixe interessante das pedras

     Pude analisá-lo bem de perto e notei que não é alto, deve ter aproximadamente meio metro de altura, mas sua extensão é formidável. Tanto que, por mais que andássemos, não conseguimos vislumbrar seu início ou fim. Acho que ele corre no cume de toda a serra.

Pirenópolis ficou bem distante

     Vou arriscar dizer que o muro não tinha a função de conter animais, à serventia das atuais cercas de arame. Ele provavelmente servia para demarcar divisas de fazendas antigas.

Não foi possível ver o fim do muro

     Outro fato interessante é que não vi pedras similares na região, o que me leva a arriscar outro palpite. Os idealizadores levaram para lá as rochas petras, tipo das de cavernas. O trabalho certamente consumiu muitos anos de árduo labor dos pobres escravos.

As pedreiras nas proximidades

     De qualquer forma, registrei minha pequena aventura em fotografias e agora disponibilizo para meus leitores. A emoção de conhecer uma edificação misteriosa e tão velha quanto essa é indescritível. Teve momento que fechei meus olhos e imaginei os cativos no desespero de encaixar logo as peças, antes que a chibatada cruel estalasse no ombro. O cheio do suor humano, o sangue respingado, os gritos de "acelera", tudo isso parece que ainda está por lá.

Eu, o muro e as polianas amarelas

     E para quem quiser ter acesso ao local do muro, informo que são propriedades particulares, o que requer autorização. Fica no caminho da fazenda Bonsucesso (a das cachoeiras). Logo após a travessia do córrego Funil, pode-se ver a grande serra à esquerda.

Adriano César Curado











8 comentários:

  1. Nossa, Adriano, dessa vez você arrasou mesmo. Que imagens maravilhosas são essas? Deu uma vontade danada de calçar um tênis, encaixar uma mochila das costas e ir lá conferir.

    Muito boa essa sua postagem, ela valeu o blog inteiro.

    ResponderExcluir
  2. É encantador o seu texto e suas imagens. Acho que um trabalho de arqueologia pode precisar a idade da construção.

    Seu blog é importante justamente porque traz postagens inovadoras, com temas que mais ninguém pensa.

    Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. luciano de oliveira26 de março de 2013 16:37

    muito bom,muito bonito, posso dizer com muita saudades que acabei de fazer uma viagem com vc,conheço parte desse muro...

    ResponderExcluir
  4. Adriano, eu não conheço esse muro de que você fala tão bem, mas estive várias vezes das cachoeiras do Bonsucesso e me lembro da tal serra. Deve ter sido realmente emocionante para você, que gosta de história, presenciar uma construção assim.

    Pirenópolis é mesmo uma terra encantadora. Pois veja que quanto mais o tempo passa, mais atrações turísticas surgem.

    Parabéns pela sua postagem de hoje. Sem ela eu não saberia da existência dessa peça rara da historia goiana.

    ResponderExcluir
  5. Adriano, estas fotos são demais.Com este resultado são fotos que divertem e encantam,não só pela luminosidade rica e as cores vivas, mas também pela sua criatividade.Abraço no amigo

    ResponderExcluir
  6. Adriano
    Concordo com a tese de divisas, também para animais. Acredito que com isso estaria se beneficiando a área de pastagem com menos pedras.
    Essas pedras são as mesmas pedras de Pirenópolis que estiveram submetidas às intempéries, acarretando fungos, líquens e erosões, que conferem o aspecto que as denomina de pedras caverna.
    abraço e parabéns pelo site
    Galeão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Galeão, quanta honra ler um comentário seu aqui neste pequeno espaço dedicado a Pirenópolis.

      Obrigado pela ilustre visita.

      Excluir
  7. gostaria de poder ver , este muro pois fiquei apaixonada .adoro suas fotos parabens Adriano pela oportunidade de ver tantas coisas bonitas .

    ResponderExcluir

Minhas leitoras e meus leitores, ao comentarem as postagens, por favor assinem. Isso é importante para mim. Se não tiver conta no Google, selecione Nome/URL (que está acima de Anônimo), escreva seu nome e clique em "continuar".

Todas as postagens passarão por minha avaliação, antes de serem publicadas.

Obrigado pela visita a este blog e volte sempre.

Adriano Curado