terça-feira, 10 de abril de 2012

Pirenópolis (Poema)


Quando estou em Pirenópolis,
Na minha sala de jantar,
Olhando pelas janelas,
Vejo uma beleza sem par.

Voltar para minha cidade,
Da minha casa ver a serra,
O rio, a ponte, a igreja do Carmo,
Admirar a beleza da terra.

Um dia estava em Pirenópolis
Olhando a rua silenciosa,
Passaram pessoas dizendo:
Que cidade maravilhosa!

Se alguém me perguntar
O que mais quero da vida,
Responderei sem hesitar:
Minha terra querida.

Quando estou quieta, penso na vida,
Lembro-me da minha terra querida,
Dos lindos passeios pela cidade.
Sentia-me tão feliz que tenho saudade.

Estava um dia na janela
Calma e contente a observar,
Vi como a cidade é bela
Nas claras noites de luar.

Chove chuva miudinha,
Cai de leve no telhado,
Fico olhando, quietinha,
Da janela do meu sobrado.

Perguntaram-me certa vez
Como é a sua cidade?
É linda e majestosa,
Respondi com vaidade.

Andando pela tortuosa estrada
Da serra do Pico dos Pireneus,
Lá de cima fico feliz, encantada!
Com a beleza criada por Deus.

Quando vou à serra dos Pireneus
Fico admirando a natureza.
E elevo uma prece a Deus
Agradecendo tanta beleza!

Õ minha terra formosa!
Tu és o meu encanto.
És linda e majestosa,
Eu te quero tanto.

Como é bom a gente se lembrar
Da querida cidade da gente,
Onde todo mundo é parente
E tem muito que conversar.

Como me sinto feliz só de pensar.
Que para minha terra irei voltar.
Meu coração alegre fica a cantar,
Ó Pirenópolis, como hei de te amar!

Ó minha cidade querida,
Está hoje tão maltratada.
Por seus filhos, foi esquecida,
Mas por mim será muito amada.

A minha cidade querida,
Terra que me viu nascer,
Faria muito na vida,
Para a cidade renascer.

Voltar para minha cidade
Dar-me-ia um grande prazer,
Ir morar no meu sobrado
E sossegada viver.

Um dia estava em Pirenópolis
Olhando a rua quieta e parada,
Não via sequer um carro,
Nem uma pessoa na calçada.

Uma pessoa cumprimentou-me,
Respondi-lhe com um sorriso.
Ela, risonha, me disse assim:
Esta cidade é um paraíso!

Cortaram as árvores do rio,
Aquelas árvores frondosas
Que davam sombra e beleza
Naquelas paragens famosas.

Queria fazer umas quadrinhas
Como era o meu intento,
Saíram simples palavrinhas
Com um grande sentimento.

A meus queridos parentes
Ofereço com amizade
Estas simples quadrinhas
Que lembram nossa cidade.

A cidade de vocês é Pirenópolis,
Cidade da música e da poesia.
É lá que vocês terão muita paz
Muita saúde e alegria.

A meus filhos queridos
Eu peço com emoção:
Façam o bem para Pirenópolis,
Mas façam de coração.


Poema de autoria de Yvonne de Pina Curado, extraído do livro de sua autoria: Uma história de amor, Goiânia: Unigraf, 1983, pp 131/134.

13 comentários:

  1. Lindo essa poema, que retrata bem a alma da cidade de Pirenópolis e o encanto que se espalha pelos olhos estasiados dos visitantes que a procuram.

    ResponderExcluir
  2. Que poema fofo, Adriano. A gente lê, fecha os olhos e consegue visualizar tudo que a autora quis dizer. Adorei. Meus parabéns.

    ResponderExcluir
  3. UIARA PEREIRA DE PINA11 de abril de 2012 11:35

    Parabéns primo, só mesmo este poema para relembrarmos como era realmente a nossa cidade, que hoje está ao leu, às traças e à imundice. As lembranças ficam, os poemas inteligentes ora emocionantes no faz ainda acreditar que o ser humano pode ser capaz de cuidar de alguma coisa. Parabéns.Fico triste com a dura realidade de nossa querida PIRENÓPOLIS.

    ResponderExcluir
  4. Poema bem escrito, de alguém que conhece bem a cidade onde mora. Lindo, maravilhoso, perfeito.

    ResponderExcluir
  5. Gosto muito de poesias, e essa em especial é bem diversificada, aborda a história da cidade em grande estilo. Linda postagem.

    ResponderExcluir
  6. Lindo poema. Pirenópolis só tem talentos!

    ResponderExcluir
  7. Um verdadeiro resgate histórico de uma época, tudo com muito ritmo e harmonia. Perfeito. Meus parabéns.

    ResponderExcluir
  8. Esse é um poema que eu gostei de ler. É romântico sem ser derramado demais. É puro sem buscar as alturas angelicais. É simples mas ao mesmo tempo bem elaborado.

    ResponderExcluir
  9. Bingo! É exatamente (tudo) isso que sinto quando estou na Terrinha ou dela me lembro... Ahh Piri, vivi tanto tempo aí sem saber que era a melhor coisa do mundo! Belo poema!

    ResponderExcluir
  10. Que saudades dá no coração da gente, quando estamos longe do lugar em que deveríamo viver!

    Lindo esse poema.

    ResponderExcluir
  11. Uma grande poetiza, essa Yvonne de Pina Curado. Comprei ontem no sebo o livro dela e estou adorando a leitura.

    ResponderExcluir

Minhas leitoras e meus leitores, ao comentarem as postagens, por favor assinem. Isso é importante para mim. Se não tiver conta no Google, selecione Nome/URL (que está acima de Anônimo), escreva seu nome e clique em "continuar".

Todas as postagens passarão por minha avaliação, antes de serem publicadas.

Obrigado pela visita a este blog e volte sempre.

Adriano Curado