quinta-feira, 19 de abril de 2012

Nossa cultura nos basta





     Pirenópolis é uma terra abençoada porque tem um produto raríssimo: a espontaneidade folclórica. Cada pirenopolino está à disposição dos festejos que ocorrem na cidade – festa do Morro, da Capela, do Divino, Semana Santa etc. Tudo isso tem a participação popular com alegria e entusiasmo.

      E sabe por quê? Porque nossa cultura nos basta.

      Não precisamos importar novidades “de fora”, temos já o suficiente aqui. Inventar moda para quê? Sou muito mais assistir uma rodada de causos com os repentistas nativos, que ir ao teatro ver um comediante nacionalmente famoso. Prefiro a Banda Fênix pelas ruas da cidade, em festivas alvoradas, que concertos recheados com arranjos indigestos lá dos estrangeiros. Meus olhos brilham com a mesmice das Pastorinhas, mas não têm o mesmo fulgor nas peças teatrais de outras searas. Mil vezes os poemas puros e delicados de Marieta Amaral, que um escritor de renome internacional, mas que só vem à nossa terra por dinheiro – nosso dinheiro, ressalvo.

      Sim, sou bairrista. Amo a minha terra acima de qualquer outra. E para mim, não há lugar mais lindo no mundo que Pirenópolis. Não há povo mais inteligente que o pirenopolino. Não há banda mais afinada que a Fênix.

      Vamos preservar o que é nosso e exigir que os “de fora” não venham trazer aculturação. Eu valorizo aqueles que cuidam da cultura pirenopolina e abomino os que inventam moda, pois não sabem o veneno que injetam em Pirenópolis.

      Na comparação das imagens, a Igreja Matriz antiga e a atual resumem tudo que escrevi.

Adriano César Curado

Imagem: Rafael Urani

17 comentários:

  1. A cultura pirenopolina basta, sim. E muito.

    Essa mania de trazer gente de outros lugares para se apresentar aqui, com prejuízo dos artistas pirenopolinos, é uma tentativa moderna de aculturação.

    O Canto da Primavera, por exemplo, não precisava existir com esse formato. Para quê um Ney Matogrosso? Com o dinheiro pago a ele poderiam incentivar os meninos que estudam na escolinha da Banda Fênix ou no recém-inaugurado espaço Ita e Alaor. Isso traria menos gente à cidade? Certamente que sim. Mas Pirenópolis não necessita aumentar a quantidade de turistas, já não dá conta nem dos atuais. O resultado é um mundão de gente drogada e bêbada, urinando nos passeios públicos, depredando a cidade. Isso é turismo?

    Chega de megaeventos em Pirenópolis. As autoridades públicas têm que incentivar a cultura local, cuidar para não apagar a chama da espontaneidade popular, como você bem escreveu. Mas se o gestor público não compreende Pirenópolis, como implantar um projeto de integração cultural?

    Mais uma vez sua postagem é oportuna e nos convida à reflexão. Meus parabéns, caro escritor, sua escrita é a alma desta cidade.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela postagem! A cultura regional somente se enriquece com a valorização do seu próprio tesouro, que são seus artistas, escritores, pintores, etc., sem a necessidade do tesouro alheio. Dar valor a prata da casa é eternizar a cultura local e fortalecer as raízes de um povo. Basta observarmos os índios, que ao sofrerem a influência do homem branco, paulatinamente deixaram sua cultura de lado e foram absorvendo a nossa...
    Viva a cultura Pirenopolina!!

    ResponderExcluir
  3. Viva Pirenópolis!!! Salvem seus escritores e artistas da influência estrangeira valorizando-os devidamente...
    Luís Eduardo.

    ResponderExcluir
  4. Quem tem um tesouro e dele não sabe cuidar, não o merece e deve perdê-lo. No baú do folclore estão as maiores riquezas de uma nação. O rei de Pirenópolis está tirando a mais cara joia de sua coroa e lançando-a ao porcos, sem perceber que seu trono é de papel e precisa ser renovado a cada quatro anos.

    ResponderExcluir
  5. Há espaço para todos no meio cultural. O que não pode é dar mais valor ao que está lá fora, porque aqueles que lavram a dura terra da cultura merecem seu espaço de destaque. Se eu fosse o prefeito de uma cidade, os artistas da casa é que iam estar ao meu lado na administração, porque são os amigos e parentes deles que votam, que elegem os políticos. Gente de fora recebe o pagamento para se apresentar e cai fora. Os de casa, não. Ficam por ali mesmo, rondando, contanto seus causos e melhorando a imagem política local.

    ResponderExcluir
  6. Eu adoro comentar neste seu blog, Adriano, porque só aqui a gente tem a liberdade de se manifestar. Amo muito Pirenópolis, vou sempre na cidade e gosto de passear pelas ruas, de torcer o pé nas pedrinhas desalinhadas. Não é de hoje que eu noto o que você falou aí, que é a valorização das culturas de fora, sem que o povo da terra participe com seus ensinamentos, suas histórias, sua música. Já tinha até comentado isso com meu pai e ele me falou que a perda da cultura local começa assim.

    ResponderExcluir
  7. Esta discussão sobre o regionalismo cultural é muito importante, ainda mais nestes tempos de BBBs, novelas e outras bobagens televisivas. Parece que o que vem de fora é melhor, mais chique, mais pomposo, e isso não é muito verdade. A grama do vizinho parece sempre muito mais verde que a nossa – grande ilusão!

    É bom lembrar que o nosso Brasil conseguiu manter sua integridade territorial valorizando as culturas regionalistas, principalmente por incentivo dos grandes coronéis. Em Pirenópolis, o exemplo disso é o coronel Joaquim Alves. Viu como conheço Piri a fundo!!

    Saber que arte se faz além fronteira é importantíssimo, mas deve ser valorado no mesmo nível do que está cá dentro.

    Sua postagem é muito importante e deve ser publicada por aí.

    Abração.

    ResponderExcluir
  8. Que desperdício de tempo e dinheiro tentar abafar as manifestações cultural pirenopolinas. Não vão conseguir. A cidade tem quase três séculos de rica história, e não é à toa.

    Sua iniciativa de discutir esses assuntos é muito boa, Adriano. Não se preocupe, os cães latem e a caravana passa.

    ResponderExcluir
  9. Pirenópolis é a sua cultura e o seu povo. Fora com estrangeirismo macabro!

    ResponderExcluir
  10. Tudo isso que você conta no texto, Adriano, tem resposta no lugar mais democrático do mundo: NAS URNAS! Aguarde para ver no que vai dar essa brincadeirinha!

    ResponderExcluir
  11. Feliz do homem que ama sua aldeia. Maldito o crápula que a incendeia.

    ResponderExcluir
  12. Escritor Adriano Curado, sua postagem é bem verdadeira e merece reflexão.

    Primeiramente devemos analisar o que está por detrás disso. Pelo que me consta, a Petrobrás patrocinará a Flipiri 2012, então haverá dinheiro público, bastante dinheiro, certamente, mas depois que passar a feira, é preciso pedir uma prestação de contas apuradíssima da destinação das quantias liberadas. Quanto foi pago a cada participante? Cada centavo da verba foi investido onde?

    Se houver qualquer dúvida, é bom comunicar ao patrocinador, à Ouvidoria da União e ao Ministério Público (tanto Federal quanto Estadual), porque são concorrentes em atribuições.

    Em segundo lugar, se não querem a participação efetiva dos filho da terra é porque o pacote já vem pronto, fechado. Bobos deles, que farão uma festa menor, sem o brilho dos que contam as histórias do lindo Estado de Goiás.

    ResponderExcluir
  13. Caro Adriano César, este post deixa claramente sua posição contra e correta de importar cultura para a Bela Pirenópolis, realmente o que está acontecendo em todo o Brasil é: de que só agora os maiorais internacionais das décadas de 70.80,90, estão vindo tocar no Brasil. Porque não vieram cá no auge do sucesso? Temos que valorizar veementemente a prata da casa. Alguém já disse: "o brasileiro é tão bonzinho"!!!!
    Um abraço a todos

    ResponderExcluir
  14. UIARA PEREIRA DE PINA23 de abril de 2012 11:18

    PARABÉNS PRIMO.Essa é a nossa triste realidade, as pessoas de fora querendo acabar com o que é nosso, aliás tem muitos funcionários da prefeitura que são de fora e querem "embromar". Parabéns mesmo, a igreja não é mais como antes, o ditado diz: "por fora bela viola, por dentro pão bolorento", mas neste caso da igreja é: "por dentro bela viola, por fora pão bolorento", por dentro, a beleza pra inglês ver e por fora a igreja está caindo aos pedaços novamente. O projeto já foi feito pensando nisso, arrecadar mais.....Parabéns pela publicação primo.

    ResponderExcluir
  15. É precisa uma reação da cidade contra esses modernismos. E a melhor resposta é nas urnas!

    ResponderExcluir
  16. Mais uma vez vemos a nossa cidade sendo tomada e ficamos calados, e quando reclamamos, nada acontece. Quer um exemplo de que perdemos espaço, veja o vídeo no site da Globo. Deixa bem claro:http://globotv.globo.com/tv-anhanguera-go/bom-dia-go/v/palco-das-cavalhadas-passa-por-reforma-em-pirenopolis-go/1901709/ Porque entrevistou o funcionário? Se ele falar contra vai ser demitido, pergunta pra alguém que vai na Cavalhada se realmente gostou! Sem interesse político em!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João Batisda Venâncio27 de abril de 2012 12:45

      Também assisti a essa matéria a achei ridícula porque só aborda um lado da questão. Não mencionam que boa parte da cidade não gosta do Cavalhódromo e que acha um desperdício de dinheiro público ali empregado. Que jornalismo é esse que não faz um enfoque absoluto sobre a questão?

      Excluir

Minhas leitoras e meus leitores, ao comentarem as postagens, por favor assinem. Isso é importante para mim. Se não tiver conta no Google, selecione Nome/URL (que está acima de Anônimo), escreva seu nome e clique em "continuar".

Todas as postagens passarão por minha avaliação, antes de serem publicadas.

Obrigado pela visita a este blog e volte sempre.

Adriano Curado