segunda-feira, 14 de maio de 2012

Entrevista com Ita e Alaor

Foto: educared.org

PROJETO MINHA TERRA
COLÉGIO ESTADUAL COM. CHRISTÓVAM DE OLIVEIRA
PIRENÓPOLIS – GOIÁS
24 de outubro de 2007

Entrevista com Ita e Alaor

O que a senhora sabe sobre a origem da peça teatral Pastorinhas, em Pirenópolis?
R: “Essa peça foi trazida pelo Telegrafista Alonso, na época da Festa do Divino de 1922 e acabou se tornando uma tradição de Pirenópolis. Como Alonso não queria deixar a peça na cidade, a peça teatral Pastorinhas foi “furtada” por Joaquim Tomás de Aquino que copiou as canções cantadas por Alonso e, com a ajuda de Propício de Pina a peça teatral foi orquestrada”.

Qual o significado religioso e cultural?
R: “Pastorinhas é uma peça onde a Contramestra que pertence ao cordão azul, está sendo seduzida por Lusbel, um homem bonito que na verdade é o demônio. Mas a Contramestra sempre está rebatendo suas tentações em forma de canções e com a ajuda do Arcanjo Miguel. A peça também é um alto natalino que lembra o nascimento de Jesus e as três virtudes: Fé ( na peça representada pela cruz e pela cor azul ), Esperança ( representada pela âncora e pela cor verde ) e Caridade ( representada pelo coração e pela cor vermelha ). A peça contem 33 personagens onde quase todos cantam com a ajuda da orquestra, composta por seis músicos; dois violinos; um trombone; um violão; duas clarinetas e um cavaquim”.

Em que ano a senhora e seu Alaor assumiram a direção?
R: “Já faz vinte e três anos em que dirigimos a peça. Mas antes de nós, que eu me lembre foi: Alonso, em seguida Luiz de Aquino Alves, depois foi Braz Wilson Pompeu de Pina, depois a Neves Brandão e só então nós assumimos a peça. Bom nós no começo não queríamos assumir a peça, porque era muito trabalho e os gastos eram muitos. Mas depois que assumimos a peça e vimos como essa peça ficou no palco, percebemos que o trabalho é muito gratificante”.

Após assumirem a direção os senhores acrescentaram algo a mais na peça ou preservaram a original?
R: “Acrescentamos sim. Depois que terminavam de apresentar a peça original, eu sempre perguntava se o público gostou da peça. Bom eles diziam que sim, só que era muito cansativo, pois a peça original durava quatro horas. Então, nós aceleramos as músicas mudamos alguns paços, não repetimos algumas canções e versos, mas há sempre algo que não pode faltar”.

Quem são os autores das músicas tocadas durante a apresentação?
R: “As músicas eram cantadas por Alonso e por seu grupo. Mas depois o Mestre Propício de Pina reescreveu e orquestrou a peça que utilizava apenas instrumentos de sopro, que dava um som pesado a peça. Depois José Joaquim do Nascimento refez a segunda orquestra que é usada atualmente nas peças”.

Durante esses anos como tem sido a repercussão das apresentações?
R: “De apaixonar, com os violinos e o violão, a peça ganhou um som mais suave e delicado”.

A peça já foi apresentada fora de Pirenópolis?
R: “Sim. A peça já foi apresentada em São Paulo; Brasília; Goiânia; Caldas Novas; Jaraguá; Goianésia e Goiás Velho”.

Que mensagem vocês deixariam para os jovens, quanto a importância histórica e cultural das pastorinhas?
R: “Os jovens, adultos e todos os públicos se encantam com a peça As Pastorinhas e eu espero que o bailado, o folclore, as romarias, as danças e as serenatas que representam toda a Festa do Divino sejam lembrados por todos”.

Neylon Jacob de Barros
Ronypeterson Morais Miranda 
Thársis Gabryel Gomes
Alunos do Colégio Estadual Comendador Christóvam de Oliveira

6 comentários:

  1. Maria Célia de Oliveira14 de maio de 2012 22:03

    Que linda essa entrevista, Adriano, ficou uma postagem muito emocionante. Ai que saudades desses dois.

    ResponderExcluir
  2. Quanta saudade... A Missa do Divino sem o solo de Dona Ita não é e nunca mais sera como antes, faz falta...rs

    ResponderExcluir
  3. É maravilhoso quando você detampa a relembrar pessoas que atuaram na história goiana. Linda essa entrevista, o autor dela está de parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Grandes nomes merecem sempre serem lembrados.

    ResponderExcluir
  5. Assisti esse casal tocando há uns quatro anos atrás. Fiquei triste quando soube da morte dela. Grandes artistas.

    ResponderExcluir
  6. Rosa Elvira Gomes de Alencar16 de maio de 2012 12:35

    Esse casal e seus violinos mágicos fazem imensidão de falta nas festividades de Pirenópolis.

    ResponderExcluir

Minhas leitoras e meus leitores, ao comentarem as postagens, por favor assinem. Isso é importante para mim. Se não tiver conta no Google, selecione Nome/URL (que está acima de Anônimo), escreva seu nome e clique em "continuar".

Todas as postagens passarão por minha avaliação, antes de serem publicadas.

Obrigado pela visita a este blog e volte sempre.

Adriano Curado