quarta-feira, 28 de março de 2012

4ª Flipiri (programação)



Programação:
02/05 e 03/05 – Ações itinerantes nos povoados de Pirenópolis e nos Municípios de Corumbá de Goiás e Cocalzinho, com participação dos autores convidados.

03/05 - Abertura Oficial em Pirenópolis, com a participação do escritor José Mendonça Teles
Local: Theatro Pyrenópolis Sebastião Pompeu de Pina
Horário: 19h

Apresentação Musicais:
  • Faculdade de Música da UFG
  • Banda Flor de Pequi
Local: Centro de Artes e Música Ita e Alaor (Praça Central)
Horário: 20h

Exposição de Comercialização de livros
Local: Entroncamento Cultural (entre os prédios do teatro e do cinema)
Horário: 9h às 21h

04/05 – Programação cultural (oficinas, palestras, contadores de histórias, quintais poéticos, debates, exposições e outras atividades)
Locais: Praça Central, Cinema, Teatro, Centro de Artes, Entrocamento Cultural, Restaurantes, Tenda da Educação e Escolas.
Horário: das 8h às 18h
Obs.: algumas atividades contarão com a participação do escritor Luis Fernando Veríssimo

Exposição de Comercialização de livros
Local: Entroncamento Cultural (entre os prédios do teatro e do cinema)
Horário: 9h às 21h

05/05 - Programação cultural (oficinas, palestras, contadores de histórias, quintais poéticos, debates, exposições e outras atividades)
Locais: Praça Central, Cinema, Teatro, Centro de Artes, Entrocamento Cultural, Restaurantes, Tenda da Educação e Escolas.
Horário: das 8h às 18h

Apresentação Musical:
  • Banda Jazz 6 do escritor Luiz Fernando Veríssimo
Horário: 20h
Local: Entroncamento Cultural

Exposição de Comercialização de livros
Local: Entroncamento Cultural (entre os prédios do teatro e do cinema)
Horário: 9h às 21h

06/05 – Almoço de encerramento com autores e coordenadores (por adesão)
Horário: 12h
Local: a definir


8 comentários:

  1. Tânia Maria de Alencar Sousa29 de março de 2012 14:46

    Gostei desse programação, não. Só prestigia gente de fora do Goiás. E misturar música e literatura não foi uma ideia sadia. Para a música já temos o Canto da Primavera. No Festival Gastronômico também vão homenagear a música?

    ResponderExcluir
  2. Maria Teresa de Assis29 de março de 2012 18:55

    A programação da Flipiri 2012 é tão ruim quanto foram as demais. Na verdade, os organizadores da feira não sabem bem se dão a ela um caráter regionalista ou nacional. Por isso essa oscilação entre expandir ou retrair.

    A Flipiri e a Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) são duas manifestações artísticas diferentes e não devem ser comparadas em hipótese alguma, embora os organizadores da primeira, ao que parece, tenham essa pretensão (bem pretensiosa, diga-se aqui!). A Flip existe há quase dez anos, tem orçamento milionário e é disputada por grandes celebridades mundiais da arte literária.

    A Flipiri não deve ambicionar crescer tanto por vários motivos. O maior deles é que a cidade de Pirenópolis, apesar de acolhedora e bonita, não comporta um público tão grande – ou será que vão colorar os escritores e leitores no indecente Cavalhódromo?! A cidade não possui um teatro com grande capacidade e nem um centro de convenções para tanto. Só se a opção fossem as tendas refrigeradas...! – mas considerando o ano passado, com os escritores na praça central com o sol no rosto, sou meio cética.

    Vejo na programação desta versão 2012 que estão cometendo os mesmos erros. Querem muitos eventos, alguns simultâneos, mas para quase ninguém, como foi nos anos anteriores. Vi muita poesia ser declamada para dez pessoas.

    Trazer um escritor do porte de Luís Vernando Veríssimo não condiz com um evento como a Flipiri. Isso é querer dar ao projeto uma conotação nacional que ele não precisa. Na cidade de Pirenópolis tudo é gostoso porque feito em pequena escala, meio romantismo à luz das candeias, meio improviso nas ruas de pedra.

    Não vi novamente os escritores de Goiás com destaque na programação. Será que em terras goianas não há quem faça boa literatura? A homenagem ao escritor José Mendonça Teles é providencial, mas muito minguada. Tem gente boa do porte de Edival Lourenço, Brasigois Felício, Luiz de Aquino etc., que poderia acrescentar um brilho maior à feira. E não falo daquela programação mal organizada na praça central, debaixo duma tenda quente, apertados entre dúzias de mesas. Falo de convidá-los para palestras organizadas, num ambiente climatizado (teatro ou cinema), com presença de bom público (alunos e professores da rede pública, por exemplo).

    Fica aqui o meu desabafo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo em gênero, número e grau com Maria Teresa. Nossa Flipiri está se transformando numa fogueira de vaidades e conchavos, o que é muito ruim, pois pode levar um projeto tão lindo a não sobreviver a um governo. A perpetuação, diga-se, vem da espontaneidade e da afinidade com os quereres do povo. Não adianta criar para os nativos do cerrado uma realidade que não lhes pertence.

      Excluir
    2. Toda vez que o governanda desafina, derruba a orquestra do povo!

      Excluir
  3. É a terceira tentativa... Nas anteriores, detalhei os motivos pelos quais concordo com as observações de Maria Teresa de Assis, mas como meus textos sumiram, vou detalhar noutra ocasião. Essa Festa é, de fato, feita só para brasilienses e uns poucos "nacionais". Para nós, goianos, cabe aplaudir. A autoridade cultural de Pirenópolis troca gentilezas e firulas com a empresária que vem de Brasília para promover sua equipe e menosprezar o autor goiano.
    A diferença, Maria Teresa, é que nós somos escritores desde sempre e morreremos com as características do nosso trabalho. Não foi um decreto que nos deu essa condição, não temos um mandato de quatro anos.
    Obrigado por destacar-me em seu comentário.

    Luiz de Aquino Alves Neto, escritor e acadêmico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é fácil lidar com cultura. O artista sempre é o elo mais fraco da corrente e é o primeiro a ser jogado aos leões, no caso duma crise financeira do poder público.

      Especificamente sobre a Flipiri/2012, obviamente que se trata de um evento voltado para o público brasiliense, como bem ressaltou o escritor Luiz de Aquino. Como nos anos anteriores, os escritores goianos não são sequer convidados, não se inserem na programação, não têm um espaço digno da arte que publicam. E isso se confirma agora, quando trazem para o baile um escritor gaúcho, que não tem nenhuma ligação com Pirenópolis, nem com Goiás.

      Qual a explicação para isso? É simples. Não se trata de uma festa goiana, ela é brasiliense, feita para “os de fora”, não para nativos. No meu caso, não perderei tempo com palestras ou declamação de poesia sem organização, com estrutura quase nenhuma – ou, como alguém escreveu aqui, com o sol no rosto do autor.

      Há, sim, esperança no fim do túnel. Mais uma vez me espelhando em palavras de Aquino, os mandatos e nomeações duram só quatro anos.

      Excluir
    2. Essa discussão é importante para o resgate da verdadeira arte, e ela brota das aspirações populares, não das imposições sociais.

      Excluir
  4. Já ouvi falar bem da FLIPIRI...
    O importante é movimentar!!!

    ResponderExcluir

Minhas leitoras e meus leitores, ao comentarem as postagens, por favor assinem. Isso é importante para mim. Se não tiver conta no Google, selecione Nome/URL (que está acima de Anônimo), escreva seu nome e clique em "continuar".

Todas as postagens passarão por minha avaliação, antes de serem publicadas.

Obrigado pela visita a este blog e volte sempre.

Adriano Curado