domingo, 13 de fevereiro de 2011

Pirenópolis (poema)




A chuva era embalada por uma suave brisa,
e o silêncio invadiu o quarto;
a rede balançava na varanda,
e o céu embruscado era iluminado por relâmpagos,
que cortavam a escuridão da noite Pirenopolina.





Não havia energia,
e o breu dominava todo o ambiente.
O cheiro orvalhado das plantas molhadas
invadia as narinas afinadas do seresteiro,
que dedilhando o violão,
rompia o silêncio e a escuridão,
com uma suave composição,
dedicada ao tesouro que é essa terra.




Falava das serestas,
da Igreja Matriz e do Bonfim,
pincelava as Cavalhadas,
dizia das cachoeiras,
de sua deslumbrante natureza,
abençoada por Deus,
que lhe proporcionou tamanha beleza,
traçada nos casarões antigos,
que compõem a Rua Direita,
desaguando de forma feliz,
na lateral da Igreja Matriz.




Dizia ainda da Rua Aurora,
que ao raiar do dia
recebe em seu leito
os primeiros raios de sol,
enquanto na Rua do Rosário
os bares são fechados,
tomados por turistas,
boêmios e artistas,
colorindo a cidade,
que a todo coração conquista,
sempre deixando lembranças,
a todos que no Rio das almas se lançam,
para sentir no corpo a sua águas frias,
que contrariam a forma calorosa,
e cheia de magia,
com que o povo de Pirenópolis,
recebe a todos em seu dia a dia.




Poema de Luís Eduardo Barros Ferreira extraído do livro Paixão de Caboclo, Goiânia: Kelps, 1999, p. 122.


by Adriano César Curado, escritor, poeta e historiador. 
Baixe gratuitamente seu livro DEUS MORA NO SEU INTERIOR ou entre em contado através de adrianocurado@hotmail.com

2 comentários:

  1. Ana Paula Machado de Oliveira14 de fevereiro de 2011 08:10

    Já tantos poetas escreveram sobre Pirenópolis, mas creio que nenhum, até hoje, a descreveu como neste poema, em que o autor parece que dormiu e sonhou com as movimentadas noitadas do passado. Lindo poema. Meus parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Bons tempos em que os versos fluíam como o Rio das Almas flui cortando Pirenópolis. Bons tempos em que a cidade me embriagava com seu encanto e muita cerveja gelada...Dá muita saudade! Pena que o tempo não volta mais, mas deixa na lembrança cada beco, cada esquina, cada amigo, e o Rio que sempre correrá em meus sonhos.
    Luís Eduardo B. Ferreira

    ResponderExcluir

Minhas leitoras e meus leitores, ao comentarem as postagens, por favor assinem. Isso é importante para mim. Se não tiver conta no Google, selecione Nome/URL (que está acima de Anônimo), escreva seu nome e clique em "continuar".

Todas as postagens passarão por minha avaliação, antes de serem publicadas.

Obrigado pela visita a este blog e volte sempre.

Adriano Curado