sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Amália Rosa de Sá e Pina

SÉRIE BIOGRAFIAS

AMÁLIA ROSA DE SÁ E PINA


Amália Rosa de Sá e Pina (Pirenópolis 30/03/1944 – 11.8.2012) foi professora, assistente social, servidora do Poder Judiciário e praticante das artes culinárias.

Amália nasceu na fazenda de seu pai, no Município de Pirenópolis, que hoje pertence à família de Jorge Gonçalves. Era filha de Aguinaldo de Sá (Fiúco) e Ana Benedita Carvalho de Sá. Perdeu a mãe muito cedo, quando tinha apenas cinco anos de idade. Seu pai casou-se novamente com Djanira de Sá, que foi quem a criou como uma segunda mãe, com dedicação e zelo.

Aos 18 anos mudou-se para a cidade de Pirenópolis e foi estudar no Colégio das Freiras, onde formou-se no Magistério e lecionou por um longo período.

Casamento de Sérgio e Amália, em 19.2.1972. 
Da esquerda para a direita: 
Aloísio, Marieta, Sérgio, Amália, Aguinaldo e Djanira.

Casou-se em 19.02.1972 com o músico Sérgio Pompêo de Pina, filho de Aloísio Pompêo de Pina e Marieta Afonso de Pina, e mudou-se para Goiânia, onde deu à luz Mariana Aparecida de Pina e ao artista plástico Sérgio Pompêo de Pina Júnior.

Graduou-se em Serviço social (UCG) e trabalhou muitos anos no Juizado de Menores, exercendo o papel de assistente social.

Com o esposo e filhos

Em 1985 retornou à Pirenópolis e exerceu o cargo no Cartório do Crime. Aposentou-se em 1996. A partir de então, passou a cultivar com maestria a arte culinária, confeccionando deliciosos licores, doces e quitandas.

Faleceu em 11.08.2012 por insuficiência cardíaca. Já infartara em 1997, quando recebera três pontes de safena.


No exercício de suas atividades no Cartório do Crime, Amália foi exemplo de honestidade e competência. Sabia exercer com dedicação as tarefas que lhe eram conferidas, sem jamais receber qualquer repreenda. Tinha paciência com a burocracia judiciária, e atendia educadamente partes e advogados no balcão da escrivania, o que é raro hoje em dia.

É importante exaltá-la, pois o país vive tempos difíceis, onde estamos à cata de bons exemplos de competência e honestidade. Infelizmente, o homem público de hoje se esquece de suas obrigações e deixa para segundo plano o bem-estar coletivo.

Com o esposo, filhos e neto

Eu gostava muito de dona Amália. Tivemos uma longa convivência no Cartório do Crime, o escrivão era o Paulo Henrique Pompêo de Pina (o Garça). Eu era advogado e ela me atendia com prioridade sobre os demais. Mas antes contava um caso engraçado. Ninguém ficava triste perto dela, uma pessoa contagiante.

Com o filho Sérgio

Era uma pessoa de contagiante alegria, amiga de todos na cidade de Pirenópolis. Ao falecer, deixou entristecidos seus conterrâneos.

Adriano César Curado

Fonte:

JAYME, Jarbas. Famílias Pirenopolinas, Vol. I, Goiânia: Editora UFG, 1971.

Baseado no texto escrito pelo artista plástico Sérgio Pompêo de Pina Júnior e gentilmente cedido para esta publicação.

Minhas próprias recordações.

As fotos pertencem à família Pompêo de Pina e estão publicadas com autorização.


* * *

6 comentários:

  1. Leila Aparecida Chagas18 de agosto de 2013 16:11

    Tenho ótimas lembrancás da Amália,divertida e tivemos grandes momentos de alegria.

    ResponderExcluir
  2. implesmente maravilhosa e sempre nos dava muito atenção. Inesquecível para todos nós. Foi uma guerreira quando estava estudando em Aparecida de Goiânia vinha passar as tardes com minha mãe Dezinha aqui em casa no Setor leste Universitário.

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente maravilhosa e sempre nos dava muito atenção. Inesquecível para todos nós. Foi uma guerreira quando estava estudando em Aparecida de Goiânia vinha passar as tardes com minha mãe Dezinha aqui em casa no Setor leste Universitário.

    ResponderExcluir
  4. Lindo, emocionante! Ler essas palavras revigora o coração, mostra o quanto ela foi e é especial nas nossas vidas. Muitas saudades!

    ResponderExcluir
  5. Adriano, meus parabéns pela iniciativa das biografias! Feliz é a cidade com tantos vultos a serem sempre lembrados (e mais feliz ainda por um filho que demonstra, desse modo, seu amor à terrra!).

    ResponderExcluir
  6. Era uma pessoa maravilhosa e que deixou saudades em todos seus amigos. Parabéns pela iniciativa da biografia, escritor.

    ResponderExcluir

Minhas leitoras e meus leitores, ao comentarem as postagens, por favor assinem. Isso é importante para mim. Se não tiver conta no Google, selecione Nome/URL (que está acima de Anônimo), escreva seu nome e clique em "continuar".

Todas as postagens passarão por minha avaliação, antes de serem publicadas.

Obrigado pela visita a este blog e volte sempre.

Adriano Curado