terça-feira, 1 de novembro de 2016

Adahyl Lourenço Dias

SÉRIE BIOGRAFIAS
ADAHYL LOURENÇO DIAS



Adahyl Lourenço Dias (n. Pirenópolis, 6.5.1911 – f. Anápolis, 7.5.2002) foi advogado, escritor, jurista, promotor público, delegado de polícia, vereador e prefeito de Anápolis

Filho do advogado José Lourenço Dias (1886 – 1939) e de Artemísia de Siqueira Dias. Sua mãe era filha do Major Silvino Odorico de Siqueira (1856 – 1935) e fazia, como todas suas irmãs, parte do Coro da Banda Euterpe, que cantava na Igreja Matriz de Pirenópolis. 

Seu pai foi cirurgião-dentista, advogado e político. Dele nos fala Jarbas Jayme: “José Lourenço Dias é, incontestavelmente, um dos mais competentes e acatados causídicos de Goiás, foi intendente municipal de nossa terra, eleito a 20.9.1919, e promotor público da comarca, nomeado interinamente, em 19.7.1915 e efetivado a  6.2.1916. Passou-se para Bonfim e daí para Anápolis, onde é dono do maior e mais bem organizado escritório do Estado, possuindo uma biblioteca extraordinária. Nessa grande tenda de trabalho militam com o experimentado causídico, três de seus filhos, bacharéis pela Faculdade de Direito de Goiás. Eleito suplente de Senador, tomou assento no Palácio Monroe, onde desfrutou da estima e do respeito de seus pares. Autodidata, fez-se por si, pois nunca experimentou estabelecimentos educacionais. Jornalista primoroso, fundou e dirigiu, em Anápolis, o apreciado semanário ‘Voz do Sul’.” (Famílias, pp. 50/1)

Eram irmãos de Adahyl: Napoleão, Pedro, Ewerton, Petrônio, Benedito, Wilson, Teresinha, Ami e Eunice.

Casarão onde nasceu e viveu na juventude a mãe de Adahyl
Adahyl transferiu-se com seus pais para a cidade de Bonfim (hoje Silvânia) em 1923, onde continuou os estudos, vindo depois a prestar exame de admissão no antigo Liceu de Goiás (1925) na Cidade de Goiás, à época Capital do Estado, aprovado em primeiro lugar.

Posteriormente, quando da transferência do Seminário de Santa Cruz da Diocese de Goiás, para Bonfim, nele passou a frequentar até a instalação do Ginásio Anchieta, criação e fundação do saudoso Dom Manoel Gomes de Oliveira.


Matriculou-se na antiga Escola de Direito de Goiás e posteriormente transferiu-se para a Faculdade de Direito de Goiás (1931), que reabria suas portas depois de um grande período de fechamento por questões políticas, bacharelando-se em 16/12/1933.

Exerceu a Procuradoria Fiscal da Prefeitura de Bonfim de 1927 a 1930, quando renunciou ao cargo para acompanhar o movimento político da Aliança Liberal, que dirigiu a Revolução de 1930 e levou ao Governo Federal Getúlio Vargas.

Em outubro de 1930 transferiu residência para Anápolis. Em 1932 exerceu o cargo de promotor público. Em 1933 foi nomeado membro do Conselho Consultivo da Prefeitura de Anápolis pelo Interventor Federal. Em 1933 foi nomeado Interventor Escolar do Estado de Goiás. Em 1935 foi eleito Vereador da Câmara Municipal de Anápolis. De 1934 a 1936 exerceu a Diretoria da Antiga Escola Normal de Anápolis (hoje Colégio Auxilium). Em 1937 exerceu o cargo de Delegado Auxiliar de Polícia da Secretaria de Segurança Pública.



Em 1938 foi nomeado Delegado Regional da Primeira Zona, cargo que recusou.

Exerceu o cargo de Delegado Florestal do Ministério da Agricultura.

Fundou e dirigiu o primeiro Ginásio de Anápolis, posteriormente transformado em Ginásio Arquidiocesano e atualmente Colégio São Francisco. Fundou e dirigiu a Conferência São Vicente de Paula, que instalou o primeiro asilo dos pobres da região. Fundou com outras pessoas o Clube Recreativo de Anápolis (CRA).

Fundou e dirigiu com seu pai o jornal “Voz do Sul”, que circulou de 1930 a 1939, com o objetivo de defender a mudança da Capital do Estado para Goiânia. 

Fundou e dirigiu a Escola de Instituição Militar em Anápolis, chamada “Tiro de Guerra”.

Em 1947 exerceu o cargo de prefeito de Anápolis. Posteriormente foi outra vez eleito Vereador de Anápolis, presidindo a Câmara Municipal, sendo reeleito em nova eleição.

Advogado militante, nunca deixou sua profissão. Foi consultor jurídico da Associação Comercial de Anápolis; advogado credenciado do antigo Sindicato dos Trabalhadores de Teatro de São Paulo, no quadro de Assistência Judiciária. Exerceu o cargo de Delegado da Ordem dos Advogados em Anápolis (1939).

ENTIDADES A QUE PERTENCEU:
Membro da Associação de Imprensa de Goiás e a Associação Brasileira de Imprensa. Conselheiro da Ordem dos Advogados em Goiás. Membro da Academia Brasileira de Letras Jurídicas. Membro da Academia Nacional de Direito do Trabalho. Membro da Academia Internacional de Jurisprudência e Direito Comparado. Membro do Instituto Luso-Brasileiro de Direito. Membro efetivo do Instituto dos Advogados do DF. Membro da Academia Anapolina de Letras e Artes.

Advogado José Lourenço Dias, pai de Adahyl

TÍTULOS QUE RECEBEU:
Comendador pela Ordem Gomes de Souza Ramos. Título de Benemérito do Lions Clube de Pirenópolis. Título de Honra ao Mérito do Rotary Club de Anápolis Região Leste, pela Sociedade Cristã Ortodoxa Beneficente de Anápolis. Diploma de Mérito pela União dos Escoteiros do Brasil. Titular Acadêmico do Centro Cultural, Literário e Acadêmico de Felgueiras, Portugal. Diploma expedido pela Ordem dos Advogados do Brasil, em reconhecimento pelos serviços prestados ao Direito e à Justiça no 50º ano de exercício da advocacia (1983). Diploma de Colaborador da 1ª Semana Nacional Mudancista da Universidade de São Paulo, pelos Centro Acadêmicos: XI de Agosto e XI de Maio (1957). Medalha Santo Ivo Patrono do Advogado, conferida pela Fraterna Ordem de Cristo, pela conduta moral, social, profissional e cristã (1933).

Obras publicadas:
Habeas Corpus
Recurso de Habeas Corpus
Habeas Corpus originário
Dos Avais Sucessivos e Simultâneos
Prescrição da Ação Penal
Salários da Concubina
Foro do Inventário
Do Risco Aéreo
Da Retroatividade da Lei Fiscal
Da Fraude à Execução
Fato Novo como Razão de Decidir
Do Pagamento de Custas
Dos Efeitos Jurídicos do Vale
Da Apelação em Concurso de Credores.
Dos Justos e Honorários de Advogado na Cobrança Cambial
A Concubina e o Direito Brasileiro, Editora Freitas Bastas, 1961.
O Desquite no Direito Brasileiro
Aparatas
A Boa Fé no Seguro de Vida em Grupo
A Prova na Investigação de Paternidade
Usucapião e Seus Elementos 
Eestudos em homenagem ao professor Washington de Barros Monteiro, Editora Saraiva, 1982
Venda a Descendentes, Editora Sugestões Literárias, 1971; José Konfino, 1976; Forense, 1985.
O Vale no Direito Brasileiro, Editora Revista dos Tribunais, 1974.


Adahyl na juventude - cortesia Natalina Fernandes
O grande destaque desse ilustre pirenopolino foi defender o direito da concubina (mulher que vive maritalmente com homem, sem estar com ele casada), numa época em que isso era um escândalo. Seus estudos foram a base para o reconhecimento da “companheira” no novo Código Civil, onde está equiparada à esposa.

Faleceu em 7 de maio de 2002, ao completar 91 anos de idade.

Uma Escola Municipal no Bairro Santos Dumont, na cidade de Anápolis, leva seu nome. Em Pirenópolis infelizmente é desconhecido. 

Foi Membro Efetivo Fundador da Academia Pirenopolina de Letras, Artes e Música (APLAM), Cadeira VIII Patrono: Luiz Gonzaga Jayme. Posteriormente, impedido pela idade avançada de se fazer presente às reuniões e diante da importância de sua pessoa, passou a ser Membro Honorário da Academia, Cadeira XLI Patrono: Antônio Fleury de Souza Lobo, o único a receber tal distinção até o momento. É patrono da Academia Anapolina de Letras (ANALE).

Fonte:
JAYME, Jarbas. Famílias pirenopolinas – Vol. V. Goiânia: UFG, 1973.

Site da Academia Brasileira de Direito do Trabalho – http://www.andt.org.br/
Site da Ordem dos Advogados de Brasil, Seção Goiás – http://www.oabgo.org.br/oab/home/
Site da Prefeitura Anápolis – http://anapolis.go.gov.br/portal/

Arquivo da Academia Pirenopolina de Letras, Artes e Música.
Arquivo da Academia Anapolina de Letras (ANALE).

Reunião para fundação da APLAM. Adahyl é o segundo da esquerda p/ direita.
Legenda da última foto, que foi tirada em 1994, na sede da AABB de Pirenópolis, na Rua Aurora: da esquerda para a direita: Pérsio Ribeiro Forzani, Adhayl Lourenço Dias, José Carlos Gentili, Victor Tannuri, Emílio Terraza, Luiz Armando Pompêo de Pina e João Luiz Pompêo de Pina.

Adriano Curado

Um comentário:

  1. Gostaria de pedir a legenda dos senhores presentes nesta magnifica foto.

    ResponderExcluir

Minhas leitoras e meus leitores, ao comentarem as postagens, por favor assinem. Isso é importante para mim. Se não tiver conta no Google, selecione Nome/URL (que está acima de Anônimo), escreva seu nome e clique em "continuar".

Todas as postagens passarão por minha avaliação, antes de serem publicadas.

Obrigado pela visita a este blog e volte sempre.

Adriano Curado