Seguidores

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

A casa pirenopolina ( I )



     Embora nossa querida cidade de Pirenópolis tenha sofrido bastante com os vendavais da modernidade, seu Centro Histórico ainda é um conjunto respeitável e só perde em quantidade de imóveis para a Cidade de Goiás.

     Muitas outras cidades do Ciclo do Ouro em Goiás foram total ou parcialmente descaracterizadas, como se rasgassem páginas importantes do passado goiano. São exemplos as cidades de Corumbá de Goiás, Jaraguá, Luziânia, Pilar, Santa Cruz de Goiás etc.

     Embora eu saiba que a casa deve acompanhar o estilo de vida de cada época, discordo plenamente das intervenções arquitetônicas que ultimamente se faz em Pirenópolis, sob o olhar complacente das autoridades públicas. Uma coisa é construir banheiros, piscinas etc., outra é modificar toda a área interna dos casarões, deixando de original apenas a fachada. Não sou arquiteto e pouco entendo dessa ciência fabulosa, mas como historiador amador sei observar aquilo que acontece à minha volta.

     E o que vejo é triste.

     Se continuarem a intervir de forma tão irresponsável no nosso patrimônio histórico, não vai longe o dia em que seremos uma “cidade cenário”, como aquelas em que se passam as novelas da televisão. Na frente, à vista do turista, uma arquitetura impecável, como se nos séculos precedentes estivéssemos. Mas da soleira para dentro, apenas a modernidade.

     Quando não estamos satisfeitos com o andamento das situações da vida, temos que fazer algo para mudar essa realidade. E minha arma são as palavras. Por isso, em diversos artigos buscarei expor meu ponto de vista e, obviamente, estarei aberto a confetes e vaias, se for o caso.

     Espero com isso começar uma mudança de mentalidade e futuramente resguardar o que restou da nossa história.


Adriano César Curado

11 comentários:

  1. Escritor Adriano César Curado, eu me tornei seguidora deste seu blog não foi só porque gosto de Pirenópolis e suas casas antigas, suas cachoeiras geladas e do aconchego da rua do Lazer. Mas principalmente porque sei que você tem tutano para abordar assuntos de que ninguém fala. Suas postagens são originais, seu estilo impecável, e sei que escreve sem pudores, doa a quem doer.

    Você vai começar uma série de postagens que vai dar o que falar. Esse é uma assunto meio delicado. E não é só em Pirenópolis. Veja o que fazem com as casas antigas do centro de Goiânia. O descaso dos governantes, que deveriam conservar nosso patrimônio histórico, é gritante e contra isso só podemos mesmo fazer o que você se propõe: tentar mudar a realidade.

    Parabéns pela coragem e iniciativa. Tenho certeza de que colherá bons frutos.

    ResponderExcluir
  2. Rachelly Jackelliny dos Anjos17 de outubro de 2011 18:28

    Ué, não pode fazer banheiro nem piscina nas casas velhas? Não endendi.

    ResponderExcluir
  3. Escritor Adriano César Curado, eu me tornei seguidora deste seu blog não foi só porque gosto de Pirenópolis e suas casas antigas, suas cachoeiras geladas e do aconchego da rua do Lazer. Mas principalmente porque sei que você tem tutano para abordar assuntos de que ninguém fala. Suas postagens são originais, seu estilo impecável, e sei que escreve sem pudores, doa a quem doer.

    Você vai começar uma série de postagens que vai dar o que falar. Esse é uma assunto meio delicado. E não é só em Pirenópolis. Veja o que fazem com as casas antigas do centro de Goiânia. O descaso dos governantes, que deveriam conservar nosso patrimônio histórico, é gritante e contra isso só podemos mesmo fazer o que você se propõe: tentar mudar a realidade.

    Parabéns pela coragem e iniciativa. Tenho certeza de que colherá bons frutos.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns, Adriano, pela ousadia. Tenho absoluta certeza de que as postagens posteriores serão de muitas novidades. Espero que sirvam para a reflexão.

    ResponderExcluir
  5. Acho importante a discussão sobre o nível de preservações de um imóvel tombado como patrimônio histórico. Sua conservação tem que ser diferenciada mesmo, ou então de nada terá valido o tal tombamento. Oportuna a abordagem do temo no seu blog.

    ResponderExcluir
  6. Acho que esses seus artigos vão dar o que falar. Mas você está certo, tem mais é que expor seu ponto de vista. Se a gente ficar quieto dentro de casa, nunca conseguirá modificar o mundo. Se você não tivesse reclamado com meio mundo sobre o som automotivo, hoje a cidade não seria o silêncio que é. Em Pirenópolis as pessoas são meio que acomodadas, não se importam com o que acontece além da porta e os espertalhões tomam conta. Vai fundo, escritor, levante essa bandeira que um dia você conseguirá alterar o rumo dessa devastação silenciosa do nosso patrimônio histórico. Meus parabéns pela iniciativa e tem meu total e completo apoio.

    ResponderExcluir
  7. Às vezes chega o momento em que não podemos nos calar, é preciso defender aquilo que acreditamos. Você tem um ideal com esses textos e deve persegui-lo. E se amanhã acontecer exatamente o que profetizou, pelo menos poderá ficar de cabeça erguida, pois você tentou mudar algo.

    ResponderExcluir
  8. AMEI O BLOG.
    PARABÉNS. TA LINDO.
    GOSTO DE TUDO EM PIRENÓPOLIS. REALMENTE É UMA CIDADE LINDÍSSIMA!...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc está coberto de razão Adriano Curado! Há que se preservar essa belíssima cidade, que está aos poucos se descaracterizando. Parabéns pela iniciativa. Abraços.

      Excluir
    2. Quantas saudades de Pirenopólis! Amo essa cidade!

      Excluir

Minhas leitoras e meus leitores, ao comentarem as postagens, por favor assinem. Isso é importante para mim. Se não tiver conta no Google, selecione Nome/URL (que está acima de Anônimo), escreva seu nome e clique em "continuar".

Todas as postagens passarão por minha avaliação, antes de serem publicadas.

Obrigado pela visita a este blog e volte sempre.

Adriano César Curado